Zaroff o Caçador de Vidas

Seja o primeiro a comentar este produto

Disponibilidade: Em estoque

R$41,90

Descrição Rápida

Sinopse:
Um grupo de aventureiros que praticam a caça como hobby, navega pelo oceano em busca de diversão. Tragicamente a embarcação naufraga. Sobrevive apenas um homem, o famoso caçador bob rainford, que acorda numa ilha, onde encontra uma misteriosa e suntuosa fortaleza. Nela vive o conde zaroff, homem elegante e estranho, que guarda grandes segredos. Ernest b. Schoedsack dirigiu este filme no mesmo ano em que dirigiu king kong . Usando as mesmas locações e enquadramento similar, zaroff, o caçador de vidas é também um clássico do cinema fantástico. Realizado na fase de transição do cinema mudo para o cinema sonoro, o filme explora bastante os gritos esganiçados de fay wray, para realçar as cenas de horror. Estes gritos tornaram-se a marca registrada dessa atriz, que foram usados também nas produções museu de cera (mystery of the wax museum, 1933), de michael curtiz, e king kong.
Zaroff – O Caçador de Vidas
Ernest schoedsack era um cinegrafista de noticiários; merian cooper, um piloto da primeira guerra mundial; os dois encontraram-se logo depois da guerra e selaram um pacto de amizade profissional, viajando juntos para os confins da terra para filmar dois dos maiores documentários do cinema mudo: grass (1925), que acompanha a travessia de seis semanas de uma tribo nômade através das montanhas do irã; e chang (1927), rodado nas selvas da tailândia. Os dois aventureiros realizariam outros belos filmes juntos: the four feathers (1929); os clássicos de horror king kong (idem, 1933); o filho de kong (the son of kong, 1933); delírio de um sábio (dr. Cyclops, 1940); poderoso joe (mighty joe young, 1949); o filme-catástrofe os últimos dias de pompéia (the last days of pompeii, 1935); e o espetacular documentário isso é cinerama (this is cinerama, 1952).
Durante a preparação das filmagens do mais famoso desses filme, enquanto merian cooper tentava convencer david selznick a produzir a história absurda de cinegrafistas mambembes que, rodando um filme numa ilha selvagem, descobriam um gorila gigante que se apaixonava pela atriz, sendo levado a nova york como atração de feira, ernest schoedsack decidiu aproveitar os cenários de selva já montados nos estúdios da rko para o filme ave do paraíso (bird of paradise, 1932), de king vidor, para rodar, em parceria com irving pichel (que se ocuparia com os diálogos), uma pequena jóia do horror psicológico: a caçada do conde zaroff (the most dangerous game, 1932), adaptado do conto de richard connell.
Aventureiros elegantes na cabine de um cruzeiro aproximam-se, sem saber, de uma costa extremamente perigosa: o naufrágio é inevitável. Todos morrem afogados ou devorados por tubarões (em cenas filmadas com realismo, como num documentário), mas o famoso caçador bob rainford (joel mccrea) sobrevive e consegue nadar até a costa, sendo abrigado no castelo do misterioso conde zaroff (leslie banks), que vive isolado na ilha com seu fiel criado ivan (noble johnson). O nobre russo já hospedava a jovem eve trowbridge (fay wray) e seu irmão bêbado martin trowbridge (robert armstrong), sobreviventes de um naufrágio anterior. Sob os gestos da aparente Gênero:                              sidade do anfitrião escondem-se propósitos escusos, percebidos por eve, que tenta em vão alertar o recém-chegado: acolhendo os náufragos e mantendo-os saudáveis e bem alimentados, zaroff só pretende desfrutar com eles do intenso prazer que sente pelo esporte da caça. Mas não se trata de um prazer honesto , nem de uma caça tradicional, e sim de uma perversão do desejo e do jogo: os hóspedes do castelo de zaroff são seus prisioneiros e suas presas sexuais.
Educado na rússia czarista, o conde zaroff teve sua paixão pela caça instigada pelo pai na infância. Quando sua terra natal foi tomada pelos comunistas, ele se exilou e a caça tornou-se sua única razão de viver. Mas tendo passado anos caçando, ele se sentiu entediado e comprou um castelo naquela deserta ilha portuguesa, cercada por rochedos que tornavam os naufrágios comuns, passando seu tempo acolhendo sobreviventes que conseguiam chegar até ele. Como caçar animais tornara-se inócuo para o obsessivo nobre que um ferimento sofrido numa caçada afetou até o delírio, ele esperava ansiosamente que os náufragos se recuperassem para poderem participar do único jogo que agora lhe proporcionava prazer, o “jogo mais perigoso de todos”. O refinado conde explica a natureza desse jogo num dos jantares que oferece: “do que eu precisava não era de uma nova paixão, mas de um novo animal...”
O horror de a caçada do conde zaroff está assim colocado num nível psicológico. Não há monstros físicos no filme, ainda que o criado ivan seja um mudo grosseiro e mal encarado: até certo ponto charmoso, zaroff é um monstro moral , um desses personagens complexos mais comumente caracterizados como “cientistas loucos”, e que aqui assume condição diversa, associando-se ao conde drácula (vivido por bela lugosi no filme de tod browning lançado no ano anterior) pela ascendência nobre e o sotaque estrangeiro (no conto Original zaroff não é um conde, mas um general). O ferimento (material e simbólico) de zaroff produz em sua mente, além de fortes dores de cabeça, uma visível impotência sexual tingida de tons homossexuais (ele só consegue excitar-se disputando uma fêmea com outro macho) e um crescente delírio paranóico que o faz perder a noção do certo e do errado. Com sua face esquerda paralisada, zaroff demonstra com esgares perversos o prazer que sente ao fazer valer na sua ilha as leis que ele próprio inventou – regras insanas impostas aos que ali aportam, obrigados a participar do jogo cruel que os transforma em “novos animais”, cujas cabeças cortadas são dependuradas na sala secreta dos mais especiais troféus de caça daquele “anfitrião louco”.
A caçada humana concentra-se na meia hora final do filme (que dura apenas 63 minutos). Os perigos naturais da selva estilizada (com ares de paisagem pré-histórica) e as inusitadas armas utilizadas (o arco de guerra tártaro e os cães treinados para matar) tornam, através da vibrante trilha sonora de max steiner e da câmara ágil e móvel de henry gerrard, essa seqüência de ação verdadeiramente sensacional. Para dar-se o máximo de prazer, zaroff joga com o mais forte adversário que até então enfrentou: um caçador tão exímio quanto ele, e ainda por cima estimulado pela atração sexual instantânea pela companheira de infortúnio.
Realizado na fase de transição do cinema mudo para o cinema sonoro, a caçada do conde zaroff explora bastante, para realçar as cenas de maior horror, os gritos esganiçados de fray wray, que se tornaram, desde então, a marca registrada dessa atriz que teve seus berros explorados da mesma maneira em museu de cera ( mystery of the wax museum , 1933), de michael curtiz, e no já citado king kong , no qual ela praticamente apenas grita do começo ao fim do filme. Enfim, podemos dizer que a caçada do conde zaroff quase constitui uma versão adulta e perversa do conto de fadas joãozinho e maria , com o conde russo sutilmente descrito como impotente e homossexual assumindo o papel da bruxa, alimentando, apenas para depois melhor devorar, o casal que se perdeu na floresta e foi parar em sua “casa de chocolate”.

Zaroff o Caçador de Vidas

Detalhes

Ficha Técnica
Zaroff - Caçador De Vidas
Titulo em Português:Caçador De Vidas
Titulo Original:The Most Dangerous Game
Produção:Eua
Ano:1932
CÓDIGO OPUS024
Direção:Ernest Beaumont Schoedsack
Elenco:Joel Mccrea – Fay Wray – Leslie Banks
Duração:63 min
Legendas:Português – Inglês - Espanhol
Áudio:2.0 – Inglês
Formato:4:3 – fullscreen – pb - ntsc
Região:Livre
Bônus:Análise do filme pelo crítico e historiador luiz nazario

Tags do Produto

Utilize espaços para separar tags. Utilize aspas simples (') para frases.